Pular para o conteúdo principal

Análise do conto “Peru de Natal” de Mario de Andrade

O conto “Peru de Natal” apresenta uma família patriarcal, feita de aparências, que mantém tradições, demonstrando a grande hipocrisia que predomina durante as reuniões familiares.
A obra nos revela uma crítica à idéia que as pessoas têm em relação ao Natal, (comida, bebida, presentes) contrariando totalmente o verdadeiro sentido do Natal, que é o nascimento de Jesus Cristo, a confraternização, o amor, etc.
A morte do pai representa a queda do regime patriarcal, dando um fim às frias reuniões de família, enquanto que o Natal representa o nascimento ou despertamento do amor e do desejo que cada um sente em seu coração, de agir com “naturalidade”, ou seja, mostrar que está feliz.
O peru é o símbolo da felicidade sem culpa, onde todos se deliciam e desejam, cada vez mais sentir o sabor daquele “peru”, mesmo havendo a “intervenção violenta da ameixa” que, por sua vez, representa a presença forte do pai morto. Após um momento de duelo entre a figura do peru (felicidade, liberdade, etc.) e a figura do pai (monotonia, frieza, etc.), o suave sabor do peru acaba por vencer a batalha angustiante.
Contudo, somente após o inconformismo do personagem principal (o filho), diante da situação vivida pela família, que apresentava uma falsa imagem de felicidade, vivendo sob o domínio “cinzento” do pai, e a persistência deste mesmo filho em levá-los a encarar uma nova vida, enfrentando o risco de estar ferindo a memória do “morto”, mas ao mesmo tempo saboreando uma felicidade, talvez nunca antes sentida, é que as demais personagens se sentiram realizadas, mesmo atribuindo a “culpa” ao “louco” (o filho).

O personagem principal do texto procura mostrar para a própria família, o ambiente de hipocrisia em que viviam, trazendo para dentro de casa um verdadeiro ambiente familiar, oposto ao que conheciam. O filho provou que as tradicionais reuniões de família eram apenas fachada, e no momento em que o personagem traz a ternura, o compartilhar e a comunhão para o meio de sua família, ele consegue mudar toda a trama, fazendo com que o leitor perceba a realidade da sociedade, onde muitos vivem apenas de aparências, não querendo assumir o seu “fracasso familiar”.

Postagens mais visitadas deste blog

ATITUDE CIENTÍFICA E SENSO COMUM

Existe grande diferença entre as certezas cotidianas e a atitude científica. As opiniões cotidianas formam o senso comum, criam certezas que são transmitidas de geração a geração, e muitas vezes, se tornam uma verdade inquestionável.

A DIDÁTICA E A FORMAÇÃO DE EDUCADORES

DA EDUCAÇÃO À NEGAÇÃO: A BUSCA DA RELEVÂNCIA
O processo de formação de educadores, inclui componentes curriculares criados para o tratamento de atividades educativas, da prática pedagógica. A Didática tem um papel de destaque entre estes componentes. A análise da atuação da Didática na formação de educadores, tem levantado uma grande discussão. Alguns estudiosos afirmam que a Didática, quando não é inofensiva, pode ser prejudicial. Para que esse assunto seja entendido deve ser estudado dentro do contexto em que se encontra, ou seja, tem que ser analisado dentro do conjunto educacional e politico social.
A Didática estuda o processo de ensino-aprendizagem, este processo está sempre presente, de forma direta ou indireta, no relacionamento humano. De acordo com a abordagem humanista, a relação entre pessoas está no centro do processo de ensino-aprendizagem, já que, o crescimento afetivo leva ao crescimento pessoal. Na abordagem técnica a aquisição de melhores condições de trabalho, tais como: …

"OS ALUNOS DE HOJE NÃO SÃO COMO OS ALUNOS DE ANTIGAMENTE" RUBEM ALVES

Os alunos de hoje, não são mais tão passivos como os alunos de algum tempo atrás. Quando falamos em passividade, é no sentido da não aceitação dos métodos impostos pelos professores. Os alunos da atualidade estão sempre questionando, buscando mudanças e interagindo com os professores. Portanto, podemos dizer que aquele aluno que não questiona, não emite as suas opiniões e não trabalha por mudanças, simplesmente não está exercendo as suas funções de ALUNO atuante. Está mais para um "bem-te-vi" recebendo diploma de professor "urubu".
**VALE RESSALTAR: O texto refere-se a alunos de verdade e não arruaceiros disfarçados de alunos...