Pular para o conteúdo principal

A CRONICA

Crônica – Registro de fatos ou acontecimentos (verdadeiros) em ordem cronológica.

Para aqueles que não sabem diferenciar a crônica da notícia, geralmente a lê como um fato como outro qualquer. Outros consideram a crônica como uma fantasia, uma historia humorística, ou algo para passar o tempo.
A crônica, geralmente, é publicada em jornais ou revistas e, ao contrário da notícia, a crônica nos faz refletir sobre a história que está sendo contada, é sempre um fato que reflete o nosso dia-a-dia, e muitos de nós não paramos para analisar.
Segundo alguns autores, a crônica atua entre a reportagem e a literatura.
A crônica é a história de alguém ou algo (real) composta por características da literatura, o que faz com que a atenção do leitor volte-se para esse texto.
A crônica registra a variação emocional do escritor.
Muitos confundem crônica com ensaio. A crônica se difere do ensaio porque no ensaio, o autor tem um objetivo a ser atingido, ou seja, uma idéia a ser dada na conclusão, onde esta será defendida pelo autor. Já na crônica, não há sugestão ou defesa de idéias, a conclusão fica a critério do leitor.
Mas, segundo alguns autores, a crônica possui uma característica semelhante ao ensaio, não existem duas crônicas ou dois cronistas iguais, assim como não há dois ensaios idênticos.
A crônica literária trabalha entre a poesia e o conto. Na poesia, a crônica trabalha em cima de “eu”, onde o “eu” é o assunto, e ao mesmo tempo o narrador. No conto a crônica trabalha com o “não-eu”, sem o lirismo encontrado na crônica poética.
Uma das características básicas da crônica é a brevidade. Um texto curto que ocupa um pequeno espaço na folha do jornal ou da revista.
Na crônica, a linguagem é direta, espontânea, de fácil entendimento e, é claro, não poderia faltar as expressões literárias que identificam a crônica.

Segundo Fernando Sabino a crônica representa “a busca do pitoresco ou do irrisório no cotidiano de cada um, visando ao circunstancial, ao episódico.”


Desde a consolidação da imprensa, a crônica se caracterizou como uma seção de jornal ou revista, onde se comentam acontecimentos do dia-a-dia. Segundo alguns estudiosos, a crônica é “filha do jornal e da era da máquina, onde tudo acaba tão rápido. Ela não foi feita originariamente para o livro, mas essa publicação é efêmera”. Modernamente, em função da qualidade literária de cronistas como Carlos Drummond de Andrade, Fernando Sabino, Rubem Braga, Luis Fernando Veríssimo, Pulo Mendes Campos, Rachel de Queiros, Lourenço Diaféria, entre outros, a crônica é comparável ao conto, sem perder, no entanto, o seu tom coloquial.

Postagens mais visitadas deste blog

ATITUDE CIENTÍFICA E SENSO COMUM

Existe grande diferença entre as certezas cotidianas e a atitude científica. As opiniões cotidianas formam o senso comum, criam certezas que são transmitidas de geração a geração, e muitas vezes, se tornam uma verdade inquestionável.

A DIDÁTICA E A FORMAÇÃO DE EDUCADORES

DA EDUCAÇÃO À NEGAÇÃO: A BUSCA DA RELEVÂNCIA
O processo de formação de educadores, inclui componentes curriculares criados para o tratamento de atividades educativas, da prática pedagógica. A Didática tem um papel de destaque entre estes componentes. A análise da atuação da Didática na formação de educadores, tem levantado uma grande discussão. Alguns estudiosos afirmam que a Didática, quando não é inofensiva, pode ser prejudicial. Para que esse assunto seja entendido deve ser estudado dentro do contexto em que se encontra, ou seja, tem que ser analisado dentro do conjunto educacional e politico social.
A Didática estuda o processo de ensino-aprendizagem, este processo está sempre presente, de forma direta ou indireta, no relacionamento humano. De acordo com a abordagem humanista, a relação entre pessoas está no centro do processo de ensino-aprendizagem, já que, o crescimento afetivo leva ao crescimento pessoal. Na abordagem técnica a aquisição de melhores condições de trabalho, tais como: …

"OS ALUNOS DE HOJE NÃO SÃO COMO OS ALUNOS DE ANTIGAMENTE" RUBEM ALVES

Os alunos de hoje, não são mais tão passivos como os alunos de algum tempo atrás. Quando falamos em passividade, é no sentido da não aceitação dos métodos impostos pelos professores. Os alunos da atualidade estão sempre questionando, buscando mudanças e interagindo com os professores. Portanto, podemos dizer que aquele aluno que não questiona, não emite as suas opiniões e não trabalha por mudanças, simplesmente não está exercendo as suas funções de ALUNO atuante. Está mais para um "bem-te-vi" recebendo diploma de professor "urubu".
**VALE RESSALTAR: O texto refere-se a alunos de verdade e não arruaceiros disfarçados de alunos...