Pular para o conteúdo principal

EJA E A TEORIA SÓCIO-CULTURAL VYGOTSKYANA

A EJA que é um sistema de ensino utilizado para a adaptação de jovens e adultos na educação, tem o objetivo de desenvolver os ensinos fundamental e médio de qualidade para cidadãos que se encontram fora da idade escolar. A EJA é regulamentada pelo artigo 37, da lei nº 9394 de 20 de dezembro de 1996 (Lei de Diretrizes e Bases - LDB).
A EJA teve seu inicio bastante conturbado, pois para muitos políticos a eliminação do analfabetismo deveria se dar na educação infantil, com um ensino de qualidade. Para aqueles, os adultos analfabetos já não tinham mais solução nem direito à educação. Porém, devido à luta de outros políticos firmou-se a lei que regulamenta a Educação de Jovens e Adultos, proporcionando a estes condições de estudar.
 O processo de ensino-aprendizagem é composto por muitas variáveis. Tais como: metodologia e recursos, instrucionais, as diferenças individuais do aprendiz (classe social, aptidão, idade, estilo cognitivo, etc.), o contexto da aprendizagem, características do professor, etc. São aspectos que devem ser considerados justamente para a definição dos objetivos pedagógicos, do conhecimento do aluno, etc, para assim realizar o planejamento que será posto em prática.
Sendo assim, estudaremos as definições de desenvolvimento, mediação e aprendizagem tendo como base os pressupostos teóricos do autor soviético Lev Semenovich Vygotsky, um dos estudiosos que estruturou sua teoria baseando-se no desenvolvimento do aprendiz como resultado de um processo sócio-cultural, dando ênfase ao papel da linguagem e da aprendizagem nesse desenvolvimento. Vygotsky classifica sua teoria como histórico-social, centralizando-a na aquisição de conhecimentos pela interação do sujeito com o meio.
Segundo Rego (2002), Vygotsky acreditava que o ser humano se constitui enquanto tal, a partir da interação social. Para Vygotsky, a cultura molda o funcionamento psicológico do homem. Na relação do homem com o mundo, mediado por instrumentos e símbolos desenvolvidos culturalmente, ele cria as formas de ação que o diferenciam de outros animais. Assim, a compreensão do desenvolvimento psicológico não pode ser buscada em propriedades naturais do sistema nervoso. Segundo a teoria vygotskyana, o cérebro é um sistema aberto cuja estrutura e formas de funcionamento são moldadas ao longo da história da espécie e do desenvolvimento individual.

O desenvolvimento está relacionado ao contexto sócio-cultural em que a pessoa se insere e se processa de forma dinâmica através de rupturas e desequilíbrios provocadores de contínuas reorganizações por parte do indivíduo. As interações com o grupo social e com objetos de sua cultura passam a governar o comportamento e o desenvolvimento do pensamento do indivíduo. (REGO, 2002 p.58)

Portanto as funções psicológicas humanas se originam nas relações do homem e seu contexto sócio-cultural. A pessoa internaliza os modos determinados ao longo da história humana e do costume de produzir com informações através das mediações simbólicas, ou seja, sistemas de representação da realidade, tendo como destaque a linguagem.
Para Vygotsky, o homem, enquanto sujeito do conhecimento, não tem acesso direto aos objetos, mas acesso mediado, através de detalhes do real, produzidos por sistemas simbólicos dos quais possui. A teoria vygotskyana dá ênfase à construção do conhecimento como uma interação mediada por diversas relações, assim, o conhecimento não é visto como uma ação do sujeito sobre a realidade, e sim pela mediação feita por outros sujeitos.
Como dito anteriormente, o homem tem seu desenvolvimento através da mediação simbólica, tendo como principal elemento a linguagem que é um sistema simbólico dos grupos humanos e representa um avanço na evolução da espécie. É através da linguagem que o homem adquire formas de lidar com objetos do mundo exterior. É também por meio da linguagem que as funções mentais superiores são formadas socialmente e transmitidas através de sua cultura.
De acordo com Rego (2002), a teoria vygotskyana mostra que a cultura constitui parte da natureza humana, por isso propõe o estudo das mudanças que ocorrem no desenvolvimento mental, partindo da inserção do sujeito em um determinado contexto cultural, originado da interação com os membros do seu grupo e de suas praticas sociais.
Essa interação ocorre principalmente através da linguagem, que por sua vez, como elemento mediador, permite a comunicação entre indivíduos e, conseqüentemente, através dessa interação, possibilita o desenvolvimento do individuo. Portanto, o uso da linguagem é determinado pela natureza sócio-interacional, uma vez que quem a usa considera as pessoas envolvidas no processo de interação, atuando no mundo social em um determinado momento e espaço.
Tendo o desenvolvimento humano origem nas constantes interações com o meio social no qual vive, entende-se então, que “o desenvolvimento do psiquismo humano é mediado pelo outro” (REGO, 2002 p. 60). Então o desenvolvimento do ser humano depende do aprendizado realizado num determinado grupo.
Segundo a teoria vygotskyana o aprendizado é um elemento necessário e fundamental no desenvolvimento das funções psicológicas superiores. “O aprendizado possibilita e mobiliza o processo de desenvolvimento”. E ainda, “o aprendizado constitui-se como necessário e universal para o desenvolvimento humano” (REGO, 2002 p. 53)
Dessa forma podemos concluir que o homem não constrói sozinho a sua aprendizagem, sendo necessária a intervenção do mundo exterior para que o ser humano possa interiorizar suas informações e daí exteriorizá-las de forma a se comunicar com o seu grupo, ocorrendo assim o processo de ensinar e aprender.

Como vimos anteriormente a EJA é um sistema de Educação voltado para jovens e adultos que não tiveram acesso ao ensino normal, ou seja, estiveram fora da escola no período de sua infância, não podendo iniciar ou dar continuidade e concluir seus estudos.
De acordo com o que vimos sobre a teoria vygtskyana entendemos que é através da interação entre indivíduos que suas informações são trabalhadas e conseqüentemente compartilhadas com o grupo.
No sentido da EJA onde cada ser individualmente trás consigo experiências vividas, culturas e pensamentos diferentes, ao se inserirem em um determinado grupo social poderá ter suas experiências, cultura e pensamentos trabalhados dentro do grupo, havendo assim a transformação necessária para o desenvolvimento de cada um e desencadeando, assim, o processo de aprendizagem. Dessa forma o aprendiz não é apenas ativo, mas, é também interativo, pois forma conhecimentos e se constitui a partir das relações intra e interpessoais. Nessa partilha com outros aprendizes e consigo próprio que se vão internalizando conhecimentos e funções sociais. Nesse sentido, a escola é o lugar onde a intervenção pedagógica intencional desencadeia o processo ensino-aprendizagem.
Como elemento principal na mediação temos o professor que tem a incumbência de interferir no processo, provocando avanços nos alunos.
Ainda de acordo com a teoria de Vygotsky, reconhecemos a importância da atuação dos outros membros do grupo social na mediação entre a cultura e o aprendiz, porque, como vimos anteriormente, a intervenção dos membros do grupo é essencial no processo de desenvolvimento.
Nesse contexto o aluno não é apenas a personagem da aprendizagem, mas também, o que aprende juntamente com o outro o que seu grupo social produz, ou seja, valores, linguagem e conhecimento.

O trabalho aqui apresentado pretende contribuir para uma melhor compreensão acerca do processo de ensino-aprendizagem na Educação de Jovens e Adultos - EJA.
Um dos aspectos verificados nesse trabalho, o processo de desenvolvimento do homem através de sua integração em um determinado grupo social.
Concluímos que o processo de desenvolvimento e, conseqüentemente, o processo de aprendizagem dependem da inserção do aprendiz em um grupo social onde a função de cada um e principalmente do professor será de mediador do conhecimento prévio individual. Entendemos que o professor tem a função de orientar o aprendizado a fim de acelerar o desenvolvimento potencial do aprendiz, tornando-o real. Assim, o ensino passará do grupo para o individuo. Ou seja, o ambiente influencia a assimilação das atividades cognitivas no aprendiz, de forma que o aprendizado origine o desenvolvimento.

Postagens mais visitadas deste blog

ATITUDE CIENTÍFICA E SENSO COMUM

Existe grande diferença entre as certezas cotidianas e a atitude científica. As opiniões cotidianas formam o senso comum, criam certezas que são transmitidas de geração a geração, e muitas vezes, se tornam uma verdade inquestionável.

A DIDÁTICA E A FORMAÇÃO DE EDUCADORES

DA EDUCAÇÃO À NEGAÇÃO: A BUSCA DA RELEVÂNCIA
O processo de formação de educadores, inclui componentes curriculares criados para o tratamento de atividades educativas, da prática pedagógica. A Didática tem um papel de destaque entre estes componentes. A análise da atuação da Didática na formação de educadores, tem levantado uma grande discussão. Alguns estudiosos afirmam que a Didática, quando não é inofensiva, pode ser prejudicial. Para que esse assunto seja entendido deve ser estudado dentro do contexto em que se encontra, ou seja, tem que ser analisado dentro do conjunto educacional e politico social.
A Didática estuda o processo de ensino-aprendizagem, este processo está sempre presente, de forma direta ou indireta, no relacionamento humano. De acordo com a abordagem humanista, a relação entre pessoas está no centro do processo de ensino-aprendizagem, já que, o crescimento afetivo leva ao crescimento pessoal. Na abordagem técnica a aquisição de melhores condições de trabalho, tais como: …

"OS ALUNOS DE HOJE NÃO SÃO COMO OS ALUNOS DE ANTIGAMENTE" RUBEM ALVES

Os alunos de hoje, não são mais tão passivos como os alunos de algum tempo atrás. Quando falamos em passividade, é no sentido da não aceitação dos métodos impostos pelos professores. Os alunos da atualidade estão sempre questionando, buscando mudanças e interagindo com os professores. Portanto, podemos dizer que aquele aluno que não questiona, não emite as suas opiniões e não trabalha por mudanças, simplesmente não está exercendo as suas funções de ALUNO atuante. Está mais para um "bem-te-vi" recebendo diploma de professor "urubu".
**VALE RESSALTAR: O texto refere-se a alunos de verdade e não arruaceiros disfarçados de alunos...