Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes, mas não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo. E que posso evitar que ela vá à falência. Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise. Ser feliz é deixar de ser vitima dos problemas e se tornar um autor da própria história. É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma. É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida. Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um não. É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.
Augusto Cury

Arquivo do blog

domingo, 24 de outubro de 2010

ENFOQUE PSICODINAMICO DA PERSONALIDADE

Quando alguém deseja compreender o comportamento de outras pessoas, em determinada circunstância, procura descobrir a motivação de suas atitudes e opiniões, sentimentos e crenças, ou seja, procura relacionar a conduta com impulsos, emoções, pensamentos e percepções que a determinaram e atua do mesmo modo na previsão de novos comportamentos. Esse processo de compreensão da conduta humana é denominado Atitude Psicodinâmica.


O Aparelho Psíquico

O aparelho psíquico é composto por três elementos: ID, EGO e SUPEREGO.
O ID é o elemento original desse aparelho a partir do qual, posteriormente, desenvolvem-se os outros. Representa a porção herdada e que está ligada à constituição.
O EGO - ao defrontar-se com as demandas do meio, a criança precisa gradualmente redirigir os impulsos do ID, de modo que estes sejam satisfeitos dentro de outro principio que não o do prazer: o principio da realidade. Isto significa que o individuo deve suportar um sofrimento para depois alcançar prazer e renunciar a um prazer que pode fazê-lo sofrer mais tarde. Em outras palavras, são funções do EGO: perceber, lembrar, pensar, planejar e decidir.
O SUPEREGO – à proporção que se desenvolve, a criança descobre que certas demandas do meio persistem sob forma de normas e regras estabelecidas.
Este que popularmente é chamado de “consciência” representa a resposta automática, “certo” ou “errado”, que surge na pessoa diante das várias situações que exigem uma tomada de posição. Assim, o superego representa a herança sócio-cultural do individuo, enquanto o ID representa a herança biológica.
Os elementos da estrutura psíquica, não podem ser considerados isoladamente no seu desenvolvimento e funcionamento. Eles são interdependentes. O EGO desempenha papel de integrador lidando simultaneamente com as demandas do ID, do SUPEREGO e do mundo externo.
Nem o ID, nem o SUPEREGO são realistas, pois agem imediata e irrefletidamente, o primeiro buscando de forma indiscriminada o prazer e o segundo censurando automaticamente. O EGO é a parte racional que realiza uma transação realista considerando os aspectos próprios da natureza do individuo e o tipo do meio onde este vive. 
O desenvolvimento do Homem como ser social, baseia-se no equilíbrio entre as forças das exigências do superego e do meio a partir do qual este se formou, e as forças dos impulsos primitivos e irracionais das exigências do id.
O bom resultado desse equilíbrio dependerá da existência de um EGO fortalecido, de um SUPEREGO moderado e do conhecimento da natureza dos impulsos do ID.
Caso contrário, o equilíbrio da personalidade obedecerá a padrões desviados da normalidade, entendendo-se, aqui, por normalidade a tendência a um completo bem-estar biopsicosocial.