Pular para o conteúdo principal

ENFOQUE PSICODINAMICO DA PERSONALIDADE

Quando alguém deseja compreender o comportamento de outras pessoas, em determinada circunstância, procura descobrir a motivação de suas atitudes e opiniões, sentimentos e crenças, ou seja, procura relacionar a conduta com impulsos, emoções, pensamentos e percepções que a determinaram e atua do mesmo modo na previsão de novos comportamentos. Esse processo de compreensão da conduta humana é denominado Atitude Psicodinâmica.


O Aparelho Psíquico

O aparelho psíquico é composto por três elementos: ID, EGO e SUPEREGO.
O ID é o elemento original desse aparelho a partir do qual, posteriormente, desenvolvem-se os outros. Representa a porção herdada e que está ligada à constituição.
O EGO - ao defrontar-se com as demandas do meio, a criança precisa gradualmente redirigir os impulsos do ID, de modo que estes sejam satisfeitos dentro de outro principio que não o do prazer: o principio da realidade. Isto significa que o individuo deve suportar um sofrimento para depois alcançar prazer e renunciar a um prazer que pode fazê-lo sofrer mais tarde. Em outras palavras, são funções do EGO: perceber, lembrar, pensar, planejar e decidir.
O SUPEREGO – à proporção que se desenvolve, a criança descobre que certas demandas do meio persistem sob forma de normas e regras estabelecidas.
Este que popularmente é chamado de “consciência” representa a resposta automática, “certo” ou “errado”, que surge na pessoa diante das várias situações que exigem uma tomada de posição. Assim, o superego representa a herança sócio-cultural do individuo, enquanto o ID representa a herança biológica.
Os elementos da estrutura psíquica, não podem ser considerados isoladamente no seu desenvolvimento e funcionamento. Eles são interdependentes. O EGO desempenha papel de integrador lidando simultaneamente com as demandas do ID, do SUPEREGO e do mundo externo.
Nem o ID, nem o SUPEREGO são realistas, pois agem imediata e irrefletidamente, o primeiro buscando de forma indiscriminada o prazer e o segundo censurando automaticamente. O EGO é a parte racional que realiza uma transação realista considerando os aspectos próprios da natureza do individuo e o tipo do meio onde este vive. 
O desenvolvimento do Homem como ser social, baseia-se no equilíbrio entre as forças das exigências do superego e do meio a partir do qual este se formou, e as forças dos impulsos primitivos e irracionais das exigências do id.
O bom resultado desse equilíbrio dependerá da existência de um EGO fortalecido, de um SUPEREGO moderado e do conhecimento da natureza dos impulsos do ID.
Caso contrário, o equilíbrio da personalidade obedecerá a padrões desviados da normalidade, entendendo-se, aqui, por normalidade a tendência a um completo bem-estar biopsicosocial.

Postagens mais visitadas deste blog

ATITUDE CIENTÍFICA E SENSO COMUM

Existe grande diferença entre as certezas cotidianas e a atitude científica. As opiniões cotidianas formam o senso comum, criam certezas que são transmitidas de geração a geração, e muitas vezes, se tornam uma verdade inquestionável.

A DIDÁTICA E A FORMAÇÃO DE EDUCADORES

DA EDUCAÇÃO À NEGAÇÃO: A BUSCA DA RELEVÂNCIA
O processo de formação de educadores, inclui componentes curriculares criados para o tratamento de atividades educativas, da prática pedagógica. A Didática tem um papel de destaque entre estes componentes. A análise da atuação da Didática na formação de educadores, tem levantado uma grande discussão. Alguns estudiosos afirmam que a Didática, quando não é inofensiva, pode ser prejudicial. Para que esse assunto seja entendido deve ser estudado dentro do contexto em que se encontra, ou seja, tem que ser analisado dentro do conjunto educacional e politico social.
A Didática estuda o processo de ensino-aprendizagem, este processo está sempre presente, de forma direta ou indireta, no relacionamento humano. De acordo com a abordagem humanista, a relação entre pessoas está no centro do processo de ensino-aprendizagem, já que, o crescimento afetivo leva ao crescimento pessoal. Na abordagem técnica a aquisição de melhores condições de trabalho, tais como: …

"OS ALUNOS DE HOJE NÃO SÃO COMO OS ALUNOS DE ANTIGAMENTE" RUBEM ALVES

Os alunos de hoje, não são mais tão passivos como os alunos de algum tempo atrás. Quando falamos em passividade, é no sentido da não aceitação dos métodos impostos pelos professores. Os alunos da atualidade estão sempre questionando, buscando mudanças e interagindo com os professores. Portanto, podemos dizer que aquele aluno que não questiona, não emite as suas opiniões e não trabalha por mudanças, simplesmente não está exercendo as suas funções de ALUNO atuante. Está mais para um "bem-te-vi" recebendo diploma de professor "urubu".
**VALE RESSALTAR: O texto refere-se a alunos de verdade e não arruaceiros disfarçados de alunos...