Pular para o conteúdo principal

"FRANKENSTEIN", Romance inglês escrito por MARY SHELLEY

THE PROCESS OF HUMANIZATION OF THE MONSTER

Victor Frankenstein built a monster with parts of body dead people. He didn’t think about personality or sentiments, he only wanted to accomplish his plan: to revive people.
When his work was finished, he saw that it was frightening, so he abandoned his creature.
When the monster was alone, it left the laboratory and went to the streets. There the people saw it and were frightened, some people attacked the monster, so it went to places where nobody saw and attacked it.
First the monster felt hunger, then it felt cold, this was the first indication of humanization of the monster, because it sought a shelter and food.
When it was attacked, it was unhappy and frightened, so it started to watch a family that lived near it. It saw that the people were kind, so it learnt to love. But it was rejected again, so it learnt to hat, too.
The mosnter was revolted and started to seek its “father”. When it met him, it questioned why it was abandoned. Why it was so ugly and frightening, and why it was alone. The people didn’t like it, they felt terror.
So the monster saw that if it attack the people that Victor loved it was destroing him. 
This revolt is a human’s sentiment, when feel us rejected, so we revolt. The monster knew the good and the bad. It learnt to love and it learnt to hate.
This process of humanization of the monster. We have to think before acting.
The monster was sorry for its action and punished itself with death. However it showed a caracteristic of all human: the revolt.

Postagens mais visitadas deste blog

ATITUDE CIENTÍFICA E SENSO COMUM

Existe grande diferença entre as certezas cotidianas e a atitude científica. As opiniões cotidianas formam o senso comum, criam certezas que são transmitidas de geração a geração, e muitas vezes, se tornam uma verdade inquestionável.

A DIDÁTICA E A FORMAÇÃO DE EDUCADORES

DA EDUCAÇÃO À NEGAÇÃO: A BUSCA DA RELEVÂNCIA
O processo de formação de educadores, inclui componentes curriculares criados para o tratamento de atividades educativas, da prática pedagógica. A Didática tem um papel de destaque entre estes componentes. A análise da atuação da Didática na formação de educadores, tem levantado uma grande discussão. Alguns estudiosos afirmam que a Didática, quando não é inofensiva, pode ser prejudicial. Para que esse assunto seja entendido deve ser estudado dentro do contexto em que se encontra, ou seja, tem que ser analisado dentro do conjunto educacional e politico social.
A Didática estuda o processo de ensino-aprendizagem, este processo está sempre presente, de forma direta ou indireta, no relacionamento humano. De acordo com a abordagem humanista, a relação entre pessoas está no centro do processo de ensino-aprendizagem, já que, o crescimento afetivo leva ao crescimento pessoal. Na abordagem técnica a aquisição de melhores condições de trabalho, tais como: …

"OS ALUNOS DE HOJE NÃO SÃO COMO OS ALUNOS DE ANTIGAMENTE" RUBEM ALVES

Os alunos de hoje, não são mais tão passivos como os alunos de algum tempo atrás. Quando falamos em passividade, é no sentido da não aceitação dos métodos impostos pelos professores. Os alunos da atualidade estão sempre questionando, buscando mudanças e interagindo com os professores. Portanto, podemos dizer que aquele aluno que não questiona, não emite as suas opiniões e não trabalha por mudanças, simplesmente não está exercendo as suas funções de ALUNO atuante. Está mais para um "bem-te-vi" recebendo diploma de professor "urubu".
**VALE RESSALTAR: O texto refere-se a alunos de verdade e não arruaceiros disfarçados de alunos...