Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes, mas não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo. E que posso evitar que ela vá à falência. Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise. Ser feliz é deixar de ser vitima dos problemas e se tornar um autor da própria história. É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma. É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida. Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um não. É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.
Augusto Cury

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

A GUERRA DO BRASIL CONTRA AS DROGAS

"A GUERRA DO BRASIL CONTRA AS DROGAS" ESTÁ IGUAL A HISTÓRIA DA DRENAGEM DO PÂNTANO...

Certa empresa precisava, para construir uma estrada, drenar um pântano em um terreno muito difícil. O pântano era enorme e selvagem com plantas e animais em seu habitat natural. A equipe contratada para drenar o pântano era competente e motivada. Estava disposta a fazer tudo o que fosse preciso para realizar a obra.
Os primeiros dias de trabalho foram muito preocupantes. Os elementos da equipe constataram que o pântano estava repleto de jacarés, alguns dos quais medindo dois metros. Eles eram muito agressivos e inclusive haviam abocanhado o pé de um dos integrantes que ficou mutilado, mas permaneceu junto ao grupo cuidando da logística. Era uma questão de honra. “Precisamos acabar com os jacarés”, diziam eles. Mas, os jacarés infestavam o pântano e estavam mesmo dispostos a ficar. Os primeiros confrontos foram com paus e pedras, mas os bichos eram mesmo ferozes e continuaram fazendo vítimas. A equipe começou então a desenvolver táticas para eliminar o inimigo. Experimentaram caçar à noite com espingardas e lanternas e começaram a ter melhores resultados, mas ainda muito pequenos diante do problema. Os jacarés conseguiam sumir aos olhos da frustrada equipe. Cada jacaré capturado ou morto era comemorado pelos integrantes que cada vez mais se empenhavam em vencer o inimigo. Alguns elementos do grupo começaram a estudar os hábitos alimentares e reprodutivos dos jacarés e finalmente, DOIS ANOS após o início da empreitada, começaram um ataque fulminante que envolvia centenas de armadilhas e uma equipe de destruição dos ovos, o que finalmente eliminaria qualquer chance de recuperação da população. Enquanto comemoravam alegremente a vitória que estava prestes a ser alcançada, perceberam que estava exatamente no mesmo ponto em que começaram em relação à drenagem do pântano.

MORAL: ENQUANTO ESTÃO PREOCUPADOS COM OS "JACARÉS" ESQUECEM QUE A SOLUÇÃO É SIMPLES, BASTA DRENAR O PÂNTANO E OS "JACARÉS" DESAPARECERÃO...


sábado, 20 de novembro de 2010

O PROFESSOR ESTÁ SEMPRE ERRADO

prof016.gif image by cybergan38

O PROFESSOR ESTÁ SEMPRE ERRADO
Jô Soares

O material escolar mais barato que existe na praça é o professor!
É jovem, não tem experiência.
É velho, está superado.
Não tem automóvel, é um pobre coitado.
Tem automóvel, chora de "barriga cheia'.
Fala em voz alta, vive gritando.
Fala em tom normal, ninguém escuta.
Não falta ao colégio, é um 'caxias'.
Precisa faltar, é um 'turista'.
Conversa com os outros professores, está 'malhando' os alunos.
Não conversa, é um desligado.
Dá muita matéria, não tem dó do aluno.
Dá pouca matéria, não prepara os alunos.
Brinca com a turma, é metido a engraçado.
Não brinca com a turma, é um chato.
Chama a atenção, é um grosso.
Não chama a atenção, não sabe se impor.
A prova é longa, não dá tempo.
A prova é curta, tira as chances do aluno.
Escreve muito, não explica.
Explica muito, o caderno não tem nada.
Fala corretamente, ninguém entende.
Fala a 'língua' do aluno, não tem vocabulário.
Exige, é rude.
Elogia, é debochado.
O aluno é reprovado, é perseguição.
O aluno é aprovado, deu 'mole'.
É, o professor está sempre errado, mas, se conseguiu ler até aqui,
agradeça a ele!

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

FRUTOS BONS



SATISFEITA, UMA DE MINHAS CLIENTES LÁ DO SUL ALCANÇOU MÉDIA 9,0. NO TCC QUE EU ASSESSOREI... 





sábado, 13 de novembro de 2010

VÍCIOS DE LINGUAGEM


Primeiramente, com certeza, antes de mais nada eu quero estar dizendo o quanto fico indiguinado com a falta de despreparo dos nossos homens da lei, os famosos adevogados, oficiais de justissa e até mesmo os juises que cometem uns erro de língua inperdoaveis.

Otro dia, por exemplo, um oficial chegou numa loja de penhora e começou a iniciar a escrever com ordens e métodos a seguinte reunião de palavras que formaram o seguinte:
“Penhorei uma mesa de comer velha de quatro pés...”
Eu não consigo esconder a minha indiguinação em relação a essa despreparação.

É por isso que eu se preparo para não cometer esses erro que deveriam ser deletado da nossa historia...


CORREÇÃO

Eu quero dizer o quanto fico indignado com a falta de preparo de homens como advogados, oficiais de justiça e até mesmo os juizes que cometem erros de língua portuguesa imperdoáveis.
Outro dia, por exemplo, um oficial chegou em uma loja de penhora e começou a redigir a seguinte frase:
“Penhorei uma mesa de comer velha de quatro pés...”
O que deveria ter sido: “Penhorei uma velha mesa de quatro pés que é utilizada nos momentos das refeições...”
Eu não consigo esconder minha indignação a respeito desse despreparo.
É por isso que me preparo para não cometer esses erros que deveriam ser apagados da nossa história...

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

QUAL É?



Qual sua posição em MISSÕES? Segurando a corda? Os mantenedores e intercessores. Dando orientações? Os pastores e apóstolos. Descendo pela corda? Os missionários. Chamando outros? Os mestres e profetas. Na água? Jesus é a solução para você! Você acha que não está representado no desenho. Olhe bem! Você pode estar sob a água! Quem não trabalha, dá trabalho!
Qual sua posição na Adoração? No altar? Em santidade! Ajoelhado próximo ao altar? Em santidade! Em pé na igreja? Solte a cadeira e adore! Sentado? Levante-se e adore ao Senhor! Indiferente? O joio não adora a Deus! Você acha que não está representado no desenho? Olhe bem, você pode estar do lado de fora!!

TRABALHO: DIGNIFICA OU DANIFICA O HOMEM

A questão do trabalho e suas implicações, como também, o estudo das relações que envolvem o capitalismo e a interferência dos aspectos social, econômico e político, interessaram especialmente ao pensamento marxista.
O complicado universo do trabalho, que se mostra como vital e ao mesmo tempo problemático, vem sendo objeto de análise de diversas áreas do conhecimento. O intuito dos pesquisadores tem sido no sentido de compreender os variados aspectos ligados a essa atividade, desde o ponto de vista do seu potencial emancipador até o da sua capacidade de envilecer o homem.
Em meados do século XIX, ao formularem suas premissas acerca das mudanças da história Karl Marx e Frederich Engels, romperam com o que chamavam de idealismo, concepção pela qual o ponto de partida de toda a história seriam as idéias ou os conceitos.
De acordo com Marx e Engels o principal representante desse pensamento idealista seria Hegel, segundo o qual o auto-desenvolvimento dos conceitos é o que determina o devir histórico. Ao romperem com essa concepção formulam o Materialismo Histórico, como um método científico de análise da história, partindo não mais das idéias, mas da realidade concreta.
A premissa de toda história dos homens é o fato da existência destes, enquanto seres vivos reais, nesta premissa funda-se o materialismo histórico. Dessa forma, os pensadores procuraram investigar quais as reais condições de existência da humanidade, para poderem explicar a realidade.
Para compreender a história Marx e Engels precisavam descobrir a essência humana, o que o tornava um ser, distinto dos demais. Nesta investigação surge uma das categorias mais importantes do materialismo histórico, sobre a qual Marx e Engels desenvolveram todo o seu conceito de homem e de sociedade: o trabalho.
            Segundo eles o homem se diferencia dos demais animais fundamentalmente pelo fato de produzirem os seus próprios meios de existência.
            Para Marx e Engels, o trabalho era a forma de mediação entre o homem e a natureza, o que o leva a relacionar-se com a natureza e interagir-se com ela no sentido de consolidar a sua própria condição de existência. É através do trabalho que o homem se constitui enquanto ser social e relaciona-se com os outros homens.
            O trabalho pode ser compreendido como o elemento fundante da vida humana, ou seja, o momento em que os homens tornam-se seres humanos. Ademais, é através do trabalho que os homens, ao mesmo tempo, transformam a natureza, seu próprio meio, e também transformam a si mesmos.
            É nesse sentido que a centralidade da categoria do trabalho, como elemento mediador da atividade humana com a natureza e sociedade apresenta-se como o escopo para compreender as dimensões da complexidade definidora do atual modelo social e suas implicações socio-ambientais.
Assim, entende-se que, o trabalho pode ser considerado como o momento crucial da vida humana, o ponto de partida do processo de humanização. Contudo, a sociedade capitalista o transforma em trabalhador assalariado, alienado, produto do trabalho fetichizado. O que era uma finalidade central do ser social converte-se em meio de subsistência. O que deveria ser uma libertação torna-se uma necessidade. A força de trabalho é considerada mercadoria - ainda que especial - cuja finalidade é produzir novas mercadorias e valorizar o capital.
Por conseqüência natural, o trabalhador decai à situação de mera mercadoria, é coisificado, torna-se um ser estranho, um meio de sua existência individual à mercê do capital. O que deveria ser fonte de humanidade se converte em desrealização do ser social, alienação e estranhamento dos homens e mulheres que trabalham. Deste modo, o trabalhador não mais se satisfaz no trabalho, mas se degrada; não se reconhece, ao contrário, muitas vezes se desumaniza no trabalho.


Nesse sentido, percebe-se duas faces do trabalho. A que dignifica o homem, proporcionando-lhe realização e participação do projeto e realização do produto do seu trabalho. Como afirma Aristóteles, o trabalhador não é apenas a causa eficiente, ele participa também da destinação, da causa final do seu trabalho, além da escolha da causa material e formal. Sob esse prisma, o trabalho é uma atividade tipicamente humana, ou seja, o homem busca constantemente a perfeição, o trabalhador faz uso da sua razão.
            Por outro lado, tem-se a questão do trabalho que danifica o homem, ou seja, o trabalho que aliena o homem ou escraviza-o. O trabalhador perde o controle sobre o projeto do trabalho e sobre os seus benefícios: isto é alienação do trabalho, onde as tarefas, para o homem, tornam-se repetitivas e monótonas.

A mudança qualitativa produzida no trabalhador durante a experiência de trabalho se realiza através de um método intencional de organização social e política, que avança na produção de uma cultura do coletivo e da tendência à superação das relações alienadas no trabalho, fazendo com que os trabalhadores se reconheçam no processo do trabalho, no seu produto, como também no âmbito das relações sociais construídas. A potencialidade do trabalho se evidencia no processo de produção desta cultura, em oposição ao modo de reprodução social do capital que subordina o trabalhador à alienação e ao total descontrole da produção material e das decisões políticas.
A dialética do trabalho, o movimento da afirmação e da negação dos homens no constante processo de criação de individualidades e sociabilidades históricas que materializam a reprodução do ser social, não deve estar isolada da totalidade da práxis social. A cultura, a política, a ideologia, a ética são mediações fundamentais que marcam a historicidade da vida social e a relação existente entre indivíduo e gênero humano. Não se pode esquecer que estas mediações, assim como o trabalho, também estão determinadas por processos contraditórios, delimitando particularidades e complexidades no conjunto das relações sociais de uma época histórica.
O capital, na sua auto-valorização destrutiva, renova sua imposição como relação social hegemônica, que domina o conjunto das relações humanas. O mundo do trabalho, constantemente reorganizado em função da expansão dos valores de troca, da concentração de riqueza, de conhecimento e de poder, está marcado pela reprodução de relações sociais de violência, de alienação e desumanização. A barbárie intrínseca à lógica de reprodução do capital assume na atualidade a forma histórica de uma identidade incontestável, justificando os diversos níveis dos atos de violência que atravessam a sociedade como próprios da “natureza humana”.
A afirmação como a negação do trabalho é produzida pela práxis de sujeitos históricos concretos, criando assim uma cadeia temporal de alternativas, de escolhas e de determinações, que marcam tanto o processo de alienação, quanto de humanização dos homens.


REFERÊNCIA 
ANTUNES, Ricardo (Org.) A Dialética do Trabalho. Escritos de Marx e Engels. São Paulo: Expressão Popular. 2004.

INFORMÁTICA: O FUTURO DA PROFISSÃO

À medida que o ser humano passou a viver em grupos sociais maiores e mais complexos, teve a necessidade de armazenar e processar uma quantidade crescente de dados. Essa necessidade fez com que o intelecto humano criasse meios cada vez mais rápidos e eficientes para trabalhar com esses dados.
Com a revolução da sociedade humana e as conquistas tecnológicas, as formas encontradas para o armazenamento de dados foram ficando cada vez mais complexas e capazes de processar uma quantidade maior de informação. Assim, a humanidade partiu de engenhos simples chegando á atualidade com moderníssimos computadores, capazes de efetuar as mais variadas tarefas.
Nesse sentido, o presente trabalho objetiva analisar a situação do Profissional em Informática, profissional este, de suma importância cujo perfil vem mudando desde a abertura do mercado no início dos anos 90, onde sua atuação se baseava na montagem/instalação e configuração dos micros, sendo muito requisitado devido ao fato da escassez de técnicos especializados no mercado. 
Evolução da Informática e a Formação Profissional
Tendo em vista a existência de uma revolução na área de Tecnologia da Informática (TI), onde há novas soluções, produtos e equipamentos surgindo a cada dia, sendo necessário ao profissional atuante na área, uma atualização freqüente.
É notório que, o profissional da área de informática, tanto da parte de suporte/infra-estrutura, quanto da área de desenvolvimento/sistemas precisam estar preparados para esse competitivo e difícil mercado atual, que carece de mão de obra de qualidade.
Com o passar do tempo as redes locais nas empresas foram surgindo, os sistemas operacionais e softwares mais bem elaborados e os técnicos precisaram se adequar. Atualmente, existem as redes sem fio, programa de incentivo do governo que geraram uma venda de micros nunca vista no país e a popularização do sistema operacional Linux, com isso o técnico precisa novamente buscar atualização para se sobressair nesse mercado onde existe uma proliferação de "técnicos" formados através de fóruns de discussão e revistas do tipo "faça você mesmo".
            Segundo Vasconcelos (2010), os anos 70 denotam a pré-história dos microcomputadores, os anos 80 foram a idade média. Muita coisa precisava ser feita pelo próprio usuário. Por exemplo, comprava-se um micro sem software algum, e o usuário desenvolvia os programas necessários, e linguagem BASIC na maioria dos casos. A computação profissional já estava muito evoluída, baseada em mainframes. Mas na microinformática, muita coisa precisava ser feita. Os micros tipo PC eram caríssimos. A computação pessoal era baseada em micros mais simples, de uso doméstico, como MSX e similares. O técnico precisava ser um estudioso, para entender e resolver os problemas.
Infelizmente muitos basearam sua formação em estudos do tipo "aprendi na Internet", ao invés de usá-la como um complemento para divulgação de conhecimentos, macetes e notícias atualizadas. Existe deficiência de formação sólida. Portanto, cabe ao profissional de informática se especializar.
Quando se fala em Mercado de Trabalho, ser um "profissional de informática" é algo muito relativo e complexo, pois a informática abrange uma grande gama de setores, os quais exigem grande conhecimento e domínio de ferramentas só empregadas àquele setor. Na maioria das vezes, ter um diploma de curso superior ou até mesmo uma pós-graduação não significa que se tem o conhecimento completo da área em que se forma. Ao contrário, uma pessoa autodidata, que se mantém atualizada quanto às tendências de mercado e às novas tecnologias, possui igual ou maior conhecimento do que um profissional com vários anos de formação.
Regulamentação da Profissão e o Futuro do Profissional de Informática
Em 5 de março de 2008 foi aprovado parecer favorável ao projeto de lei que regulamenta o exercício das profissões de Analista de Sistemas e Técnico de Informática. Este projeto estava há alguns anos na Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) do Senado Federal e seu parecer foi aprovado. A proposta agora será encaminhada à Comissão de Assuntos Sociais (CAS), na qual receberá decisão terminativa. As primeiras propostas neste sentido foram apresentadas em 2003.
O parecer excluiu da proposta a possibilidade de criação de conselhos federal e regional de informática, pois isto poderia dar margem ao projeto ser vetado pela Presidência da República. Os Analistas de Sistemas e Técnicos de Informática poderão optar pelo vínculo a algum conselho ou confederação já existente com o qual a profissão tenha pertinência.
De acordo com a proposta, a profissão de Técnico de Informática, o projeto determina a comprovação de diploma de ensino médio ou equivalente de curso técnico de Informática ou de Programação de Computadores. De acordo com o projeto esses diplomas devem ser expedidos por escolas oficiais ou reconhecidas.
Portanto, um dos maiores impactos deste projeto de lei é que, como em outras profissões regulamentadas, essas atividades acima citadas passam a ser exclusividade dos profissionais formalmente habilitados, o que é um ponto positivo, pois, como citado anteriormente, muitos se autodenominam técnicos sem ao menos fazer um curso, o que prejudica em muito aqueles que têm buscado preparo em órgãos competentes e reconhecidos.
No entanto, em 05 de novembro de 2008, por requisição do senador Jarbas Vasconcellos, o PLS 607/27 foi enviado à CCJ para ser discutido em Audiência Pública, ocorrida em 11 de novembro de 2008, e posteriormente votado pela Comissão.
Em 18 de agosto de 2009, o PLS foi aprovado pela CCJ nos termos do substitutivo do senador Marconi Perillo e então devolvido à CAS, onde recebeu uma emenda substitutiva do seu autor, senador Expedito Júnior, que procura, por meio desta emenda, restaurar sua proposta inicial, com a criação do conselho de profissão para a Área de Informática.
Em 02 de outubro de 2009, a senadora Lúcia Vânia propõe uma emenda ao PLS 607/2007 para modificar a alínea I do Art. 2º para: "I – os possuidores de diploma de nível superior em Análise de Sistemas, Engenharia de Software, Ciência da Computação ou Processamento de Dados, expedido por escolas oficiais ou reconhecidas;".
O texto original do substitutivo do senador Marconi Perillo é: "I – os possuidores de diploma de nível superior em Análise de Sistemas, Ciência da Computação ou Processamento de Dados, expedido por escolas oficiais ou reconhecidas;"; e o da emenda do senador Expedito Júnior é: "I – os possuidores de diploma de nível superior em Análise de Sistemas, Informática, Ciência ou Engenharia da Computação, Processamento de Dados e Sistemas ou Tecnologia da Informação, expedido por escolas oficiais ou reconhecidas;".
Em 30 de outubro de 2009, o senador Expedito Júnior, autor do PLS 607/2007, foi declarado, por decisão judicial, impedido de exercer seu mandato no Senado.

Pode-se dizer que desde o início da Criação o homem vem evoluindo e nesse processo de evolução muitas coisas foram criadas. Como citado na introdução, os computadores e consequentemente o sistema de informações, foram criados em função da necessidade humana em organizar-se. Para tanto, fez-se necessário que para acompanhar esse avanço tecnológico o homem também avançasse intelectualmente. No que diz respeito à Técnica em Informática, hoje existem sites que fornecem informações onde os usuários dessa tecnologia podem tirar suas dúvidas e/ou até mesmo arriscar a manutenção de seu PC.
No entanto, deve-se levar em consideração que os verdadeiros Profissionais de Informática, estão se capacitando e buscando estarem cada vez mais informados sobre as novidades do mercado de Tecnologia de Informação, para que assim, possa-se oferecer um serviço de qualidade e garantia.
Necessário é que as autoridades observem essa situação e permitam que esses profissionais tenham seu lugar reconhecido e que os “autodidatas” também busquem sua qualificação.

REFERÊNCIAS
ATLAS Interligado. São Paulo: Didática Paulista, 2004.

BIGONHA, Roberto da Silva. Regulamentação Da Profissão De Informática. Disponível em: <http://homepages.dcc.ufmg.br/~bigonha/Sbc/plsbc.html.> Acesso em 12 abril 2010.


VASCONCELOS, L. Consertando Micros. 2. ed. Rio de Janeiro: Laércio Vasconcelos Computação, 2010. 491 p.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

REFLEXÃO

Imagine que é uma típica tarde de sexta - feira e você está 
dirigindo em direção à sua casa.Você sintoniza o rádio. O noticiário está falando de coisas de pouca importância. 
Você ouve que numa cidadezinha distante morreram 3 pessoas de uma gripe, até então, totalmente desconhecida.  Na segunda-feira, quando acorda, escuta que já não são 3, mas 30.000, as pessoas mortas pela tal gripe, nas colinas remotas da Índia.
Começa o pânico na Europa. As informações dizem que, quando você contrai o vírus, é questão de uma semana de vida. Em seguida, as pessoas têm 4 dias de sintomas horríveis e morrem. 
 De repente, vem a notícia esperada: conseguiram decifrar o código de DNA do vírus. É possível fabricar o antídoto! É preciso, para isso, conseguir sangue de alguém que não tenha sido infectado pelo vírus. 
 Corre por todo o mundo, a notícia de que as pessoas devem ir aos hospitais fazer análise de seu sangue e doar para a fabricação do antídoto. 
Você vai de voluntário com toda sua família, juntamente com alguns vizinhos, perguntando-se, o que acontecerá. Será este o final do mundo? De repente, o médico sai gritando um nome que leu em seu caderno. O menor dos seus filhos está ao seu lado, se agarra na sua jaqueta, e lhe diz:
    Pai? Esse é meu nome! 
E antes que você possa raciocinar, estão levando seu filho, e você grita: 
"Esperem!" 
E eles respondem: 
"Tudo está bem! O sangue dele está limpo, e é sangue puro. 
Achamos que ele tem o sangue que precisamos para o antídoto." 
Depois de 5 longos minutos, saem os médicos chorando e rindo ao mesmo tempo. 
E é a primeira vez que você vê alguém rindo em uma semana.-"Posso falar-lhes um momento? Não sabíamos que o doador seria uma criança e precisamos que o senhor assine uma autorização para usarmos o sangue de seu filho."  
  Quando você está lendo, percebe que não colocaram a quantidade de sangue que vão usar, e pergunta: 
"Mas, qual a quantidade de sangue que vão usar?" 
O sorriso do médico desaparece e ele responde: 
- "Não pensávamos que fosse uma criança. Não estávamos preparados...Precisamos de todo o sangue de seu filho..."Você não pode acreditar no que ouve e trata de contestar:"Mas...mas..." 
O médico insiste: 
-"O senhor não compreende? Estamos falando da cura para o mundo inteiro! Por favor, assine! Nós precisamos de todo o sangue!" 
Você, então, pergunta:-"Mas vocês não podem fazer-lhe uma transfusão?"E vem a resposta:"Se tivéssemos sangue puro, poderíamos. Assine! Por favor, assine!” Em silêncio, e sem ao menos poder sentir a caneta na mão, você assina. 
Perguntam-lhe: -"Quer ver seu filho agora?" 
Ele caminha na direção da sala de emergência onde se encontra seu filho, que está sentado na cama, e ele diz: -"Papai!? Mamãe!? O que está acontecendo?" 
O pai segura na mão dele e fala: -"Filho, sua mãe e eu lhe amamos muito e jamais permitiríamos que lhe acontecesse algo que não fosse necessário, você entende?” O médico regressa e diz:-"Sinto muito senhor, precisamos começar, gente do mundo inteiro está morrendo, o senhor pode sair?" 
Nisso, seu filho pergunta: -"Papai? Mamãe? Por que vocês estão me abandonando?" 
E na semana seguinte, quando fazem uma cerimônia para honrar o seu filho, algumas pessoas ficam em casa dormindo, e outras não vêm, porque preferem fazer um passeio ou assistir um jogo de futebol na TV.  

 E outras veêm, mas como se realmente não estivessem se importando. Aí você tem vontade de parar e gritar: 
- MEU FILHO MORREU POR VOCÊS!!! NÃO SE IMPORTAM COM ISSO? 
Talvez isso é o que DEUS nos quer dizer: 
-MEU FILHO MORREU POR VOCÊS!!! NÃO SABEM O QUANTO EU OS AMO?

Desconheço a autoria

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

O que é Metodologia

        A Metodologia é a explicação minuciosa, detalhada, rigorosa e exata de toda ação desenvolvida no método(caminho) do trabalho de pesquisa. 

        É a explicação do tipo de pesquisa, do instrumental utilizado (questionário, entrevista etc), do tempo previsto, da equipe de pesquisadores e da divisão do trabalho, das formas de tabulação e tratamento dos dados, enfim, de tudo aquilo que se utilizou no trabalho de pesquisa.
         -Cronograma
        O Cronograma é a previsão de tempo que será gasto na realização do trabalho de acordo com as atividades a serem cumpridas. As atividades e os períodos serão definidos a partir das características de cada pesquisa e dos critérios determinados pelo autor do trabalho.
        Os períodos podem estar divididos em dias, semanas, quinzenas, meses, bimestres, trimestres etc.. Estes serão determinados a partir dos critérios de tempo adotados por cada pesquisador.
     Exemplo:
ATIVIDADES     /     PERÍODOS12345678910
1Levantamento de literaturaX
2Montagem do ProjetoX
3Coleta de dadosXXX
4Tratamento dos dadosXXXX
5Elaboração do Relatório FinalXXX
6Revisão do textoX
7Entrega do trabalhoX
          - Recursos
        Normalmente as monografias, as dissertações e as teses acadêmicas não necessitam que sejam expressos os recursos financeiros. Os recursos só serão incluídos quando o Projeto for apresentado para uma instituição financiadora de Projetos de Pesquisa.
        Os recursos financeiros podem estar divididos em Material PermanenteMaterial de Consumo e Pessoal, sendo que esta divisão vai ser definida a partir dos critérios de organização de cada um ou das exigências da instituição onde está sendo apresentado o Projeto.
                   - Material permanente
             São aqueles materiais que têm uma durabilidade prolongada. Normalmente é definido como bens duráveis que não são consumidos durante a realização da pesquisa.
             Podem ser: geladeiras, ar refrigerado, computadores, impressoras etc.
     Exemplo:
ITEMCUSTO (R$)   
Computador1.700,00
Impressora500,00
Scanner400,00
Mesa para o computador300,00
Cadeira para a mesa200,00
TOTAL:3.100,00
            - Material de Consumo
             São aqueles materiais que não têm uma durabilidade prolongada. Normalmente é definido como bens que são consumidos durante a realização da pesquisa.
             Podem ser: papel, tinta para impressora, gasolina, material de limpeza, caneta etc.
     Exemplo:
ITEMCUSTO (R$)   
10 caixas de disquete para computador100,00
10 resmas de papel tipo A4200,00
10 cartuchos de tinta para impressora650,00
TOTAL:950,00
           - Pessoal
             É a relação de pagamento com pessoal, incluindo despesas com impostos.
     Exemplo:
ITEMCUSTO MENSAL (R$)  CUSTO TOTAL (R$)
(10 meses)
1 estagiário pesquisador500,005.000,00
1 datilógrafo200,002.000,00
1 revisor2.000,00
Impostos incidentes (hipotético)4.000,00
TOTAL:700,0013.000,00
         - Anexos
        Este item também só é incluído caso haja necessidade de juntar ao Projeto algum documento que venha dar algum tipo de esclarecimento ao texto. A inclusão, ou não, fica a critério do autor da pesquisa.
          - Referências
        As referências dos documentos consultados para a elaboração do Projeto é um item obrigatório. Nela normalmente constam os documentos e qualquer fonte de informação consultados no Levantamento de Literatura.
        Exemplos para elaboração das Referências, segundo as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT para elaboração das Referências estão expressas no Anexo 1 deste trabalho.
           - Glossário
        São as palavras de uso restrito ao trabalho de pesquisa ou pouco conhecidas pelo virtual leitor, acompanhadas de definição.
        Também não é um item obrigatório. Sua inclusão fica a critério do autor da pesquisa, caso haja necessidade de explicar termos que possam gerar equívocos de interpretação por parte do leitor.
        - Esquema do Trabalho
        Concluído o Projeto, o pesquisador elaborará um Esquema do Trabalho que é uma espécie de esboço daquilo que ele pretende inserir no seu Relatório Final da pesquisa. O Esquema do Trabalho guia o pesquisador na elaboração do texto final. Por se tratar de um esboço este Esquema pode ser totalmente alterado durante o desenvolvimento do trabalho. Quando conseguimos dividir o tema genérico em pequenas partes, ou itens, poderemos redigir sobre cada uma das partes, facilitando significativamente o desenvolvimento do texto.
        Depois de concluída a pesquisa, este Esquema irá se tornar o Sumário do trabalho final.

     Exemplo:

Título: Educação da Mulher: a perpetuação da injustiça

     1 INTRODUÇÃO

     2 HISTÓRICO DO PAPEL DA MULHER NA SOCIEDADE

     3 O PODER DA RELIGIÃO
        3.1 O mito de Lilith/Eva
        3.2 O mito da Virgem Maria

     4 O PROCESSO DE EDUCAÇÃO

     5 O PAPEL DA MULHER NA FAMÍLIA
        5.1 A questão da maternidade
        5.2 Direitos e deveres
        5.3 A moral da família
        5.4 Casamento: um bom negócio
        5.5 A violência

     6 UM CAPÍTULO MASCULINO

     7 CONSIDERAÇÕES FINAIS


 - Resumindo...
Um Projeto de pesquisa, então deveria ter as seguintes características:
     1 - Introdução (obrigatório)
     2 - Levantamento de Literatura (obrigatório)
     3 - Problema (obrigatório)
     4 - Hipótese (obrigatório)
     5 - Objetivos (obrigatório)
     6 - Justificativa (obrigatório)
     7 - Metodologia (obrigatório)
     8 - Cronograma (se achar necessário)
     9 - Recursos (se achar necessário)
     10 - Anexos (se achar necessário)
     11 - Referências (obrigatório)
     12 - Glossário (se achar necessário)

Observação: O documento final do Projeto de Pesquisa deve conter:
     - Capa ou Falsa Folha de Rosto (obrigatório);
     - Folha de Rosto (obrigatório);
     - Sumário (obrigatório);
     - Texto do projeto (baseado nas características enunciadas acima) (obrigatório);
     - Referências (obrigatório);
     - Capa (se quiser). 


KARL MARX E A HISTÓRIA DA EXPLORAÇÃO DO HOMEM

  KARL MARX Nasceu em Treves, na Alemanha (1818-1883). Doutorou-se em Filosofia. Foi redator de uma gazeta liberal em...