Pular para o conteúdo principal

REFLEXÃO

Imagine que é uma típica tarde de sexta - feira e você está 
dirigindo em direção à sua casa.Você sintoniza o rádio. O noticiário está falando de coisas de pouca importância. 
Você ouve que numa cidadezinha distante morreram 3 pessoas de uma gripe, até então, totalmente desconhecida.  Na segunda-feira, quando acorda, escuta que já não são 3, mas 30.000, as pessoas mortas pela tal gripe, nas colinas remotas da Índia.
Começa o pânico na Europa. As informações dizem que, quando você contrai o vírus, é questão de uma semana de vida. Em seguida, as pessoas têm 4 dias de sintomas horríveis e morrem. 
 De repente, vem a notícia esperada: conseguiram decifrar o código de DNA do vírus. É possível fabricar o antídoto! É preciso, para isso, conseguir sangue de alguém que não tenha sido infectado pelo vírus. 
 Corre por todo o mundo, a notícia de que as pessoas devem ir aos hospitais fazer análise de seu sangue e doar para a fabricação do antídoto. 
Você vai de voluntário com toda sua família, juntamente com alguns vizinhos, perguntando-se, o que acontecerá. Será este o final do mundo? De repente, o médico sai gritando um nome que leu em seu caderno. O menor dos seus filhos está ao seu lado, se agarra na sua jaqueta, e lhe diz:
    Pai? Esse é meu nome! 
E antes que você possa raciocinar, estão levando seu filho, e você grita: 
"Esperem!" 
E eles respondem: 
"Tudo está bem! O sangue dele está limpo, e é sangue puro. 
Achamos que ele tem o sangue que precisamos para o antídoto." 
Depois de 5 longos minutos, saem os médicos chorando e rindo ao mesmo tempo. 
E é a primeira vez que você vê alguém rindo em uma semana.-"Posso falar-lhes um momento? Não sabíamos que o doador seria uma criança e precisamos que o senhor assine uma autorização para usarmos o sangue de seu filho."  
  Quando você está lendo, percebe que não colocaram a quantidade de sangue que vão usar, e pergunta: 
"Mas, qual a quantidade de sangue que vão usar?" 
O sorriso do médico desaparece e ele responde: 
- "Não pensávamos que fosse uma criança. Não estávamos preparados...Precisamos de todo o sangue de seu filho..."Você não pode acreditar no que ouve e trata de contestar:"Mas...mas..." 
O médico insiste: 
-"O senhor não compreende? Estamos falando da cura para o mundo inteiro! Por favor, assine! Nós precisamos de todo o sangue!" 
Você, então, pergunta:-"Mas vocês não podem fazer-lhe uma transfusão?"E vem a resposta:"Se tivéssemos sangue puro, poderíamos. Assine! Por favor, assine!” Em silêncio, e sem ao menos poder sentir a caneta na mão, você assina. 
Perguntam-lhe: -"Quer ver seu filho agora?" 
Ele caminha na direção da sala de emergência onde se encontra seu filho, que está sentado na cama, e ele diz: -"Papai!? Mamãe!? O que está acontecendo?" 
O pai segura na mão dele e fala: -"Filho, sua mãe e eu lhe amamos muito e jamais permitiríamos que lhe acontecesse algo que não fosse necessário, você entende?” O médico regressa e diz:-"Sinto muito senhor, precisamos começar, gente do mundo inteiro está morrendo, o senhor pode sair?" 
Nisso, seu filho pergunta: -"Papai? Mamãe? Por que vocês estão me abandonando?" 
E na semana seguinte, quando fazem uma cerimônia para honrar o seu filho, algumas pessoas ficam em casa dormindo, e outras não vêm, porque preferem fazer um passeio ou assistir um jogo de futebol na TV.  

 E outras veêm, mas como se realmente não estivessem se importando. Aí você tem vontade de parar e gritar: 
- MEU FILHO MORREU POR VOCÊS!!! NÃO SE IMPORTAM COM ISSO? 
Talvez isso é o que DEUS nos quer dizer: 
-MEU FILHO MORREU POR VOCÊS!!! NÃO SABEM O QUANTO EU OS AMO?

Desconheço a autoria

Postagens mais visitadas deste blog

ATITUDE CIENTÍFICA E SENSO COMUM

Existe grande diferença entre as certezas cotidianas e a atitude científica. As opiniões cotidianas formam o senso comum, criam certezas que são transmitidas de geração a geração, e muitas vezes, se tornam uma verdade inquestionável.

A DIDÁTICA E A FORMAÇÃO DE EDUCADORES

DA EDUCAÇÃO À NEGAÇÃO: A BUSCA DA RELEVÂNCIA
O processo de formação de educadores, inclui componentes curriculares criados para o tratamento de atividades educativas, da prática pedagógica. A Didática tem um papel de destaque entre estes componentes. A análise da atuação da Didática na formação de educadores, tem levantado uma grande discussão. Alguns estudiosos afirmam que a Didática, quando não é inofensiva, pode ser prejudicial. Para que esse assunto seja entendido deve ser estudado dentro do contexto em que se encontra, ou seja, tem que ser analisado dentro do conjunto educacional e politico social.
A Didática estuda o processo de ensino-aprendizagem, este processo está sempre presente, de forma direta ou indireta, no relacionamento humano. De acordo com a abordagem humanista, a relação entre pessoas está no centro do processo de ensino-aprendizagem, já que, o crescimento afetivo leva ao crescimento pessoal. Na abordagem técnica a aquisição de melhores condições de trabalho, tais como: …

"OS ALUNOS DE HOJE NÃO SÃO COMO OS ALUNOS DE ANTIGAMENTE" RUBEM ALVES

Os alunos de hoje, não são mais tão passivos como os alunos de algum tempo atrás. Quando falamos em passividade, é no sentido da não aceitação dos métodos impostos pelos professores. Os alunos da atualidade estão sempre questionando, buscando mudanças e interagindo com os professores. Portanto, podemos dizer que aquele aluno que não questiona, não emite as suas opiniões e não trabalha por mudanças, simplesmente não está exercendo as suas funções de ALUNO atuante. Está mais para um "bem-te-vi" recebendo diploma de professor "urubu".
**VALE RESSALTAR: O texto refere-se a alunos de verdade e não arruaceiros disfarçados de alunos...