Pular para o conteúdo principal

SAGA "EJA"

Contexto histórico da Educação de Jovens e Adultos (EJA)



Foi no final da década de 1940, que a Educação de Jovens e Adultos firmou-se como tema de política educacional. Diversos fatores contribuíram para que isso ocorresse, entre eles, a criação do Ministério da Educação e Saúde Pública em 1930, a idéia de um Plano Nacional de Educação fixado na Constituição de 1934 e a criação do Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos (INEP), em 1938. Passos decisivos para colocação da educação de adultos como problema nacional foram dados na década de 1940 com a criação do Fundo Nacional do Ensino Primário e sua regulamentação em 1945, que destinava 25% dos recursos do Fundo para a educação de adultos e jovens analfabetos, a criação do Serviço de Educação de Adultos em 1947 e com a aprovação de um plano nacional de educação supletiva, ainda em 1947. Dessa estrutura e desses recursos resultaram diversas campanhas de combate ao analfabetismo, em que se destacam a Campanha de Educação de Adolescentes e Adultos a partir de 1947 e a Campanha Nacional de Educação Rural, a partir de 1952. A organização de programas de massa destinados à Educação de Jovens e Adultos, alavancados pelos recursos do Fundo Nacional de Ensino Primário (FNEP), foi acompanhado de euforia nos primeiros momentos e seguida de atividades rotineiras durante os anos de 1950, até sua extinção oficial no início da década de 1960. As campanhas traziam como fundamento político a ampliação das bases eleitorais e a integração das massas ao processo de desenvolvimento nacional, seja como instrumento de participação política pelo voto, seja como forma de preparação e qualificação de mão-de-obra exigida pela industrialização.
A Educação de Jovens e Adultos – EJA, no decorrer da história do Brasil, tem sido colocada num segundo plano nas Políticas Públicas, o que, muitas vezes, tem gerado várias dificuldades para se desenvolver um projeto político-pedagógico voltado às reais necessidades dos jovens e dos adultos. Dentre elas, pode-se apontar a ausência de recursos para investir na estruturação adequada das salas de aula, na formação profissional dos educadores e na implementação de pesquisas em EJA para melhoria do trabalho docente nessa modalidade de ensino, evitando a infantilização da prática pedagógica. 

Postagens mais visitadas deste blog

ATITUDE CIENTÍFICA E SENSO COMUM

Existe grande diferença entre as certezas cotidianas e a atitude científica. As opiniões cotidianas formam o senso comum, criam certezas que são transmitidas de geração a geração, e muitas vezes, se tornam uma verdade inquestionável.

A DIDÁTICA E A FORMAÇÃO DE EDUCADORES

DA EDUCAÇÃO À NEGAÇÃO: A BUSCA DA RELEVÂNCIA
O processo de formação de educadores, inclui componentes curriculares criados para o tratamento de atividades educativas, da prática pedagógica. A Didática tem um papel de destaque entre estes componentes. A análise da atuação da Didática na formação de educadores, tem levantado uma grande discussão. Alguns estudiosos afirmam que a Didática, quando não é inofensiva, pode ser prejudicial. Para que esse assunto seja entendido deve ser estudado dentro do contexto em que se encontra, ou seja, tem que ser analisado dentro do conjunto educacional e politico social.
A Didática estuda o processo de ensino-aprendizagem, este processo está sempre presente, de forma direta ou indireta, no relacionamento humano. De acordo com a abordagem humanista, a relação entre pessoas está no centro do processo de ensino-aprendizagem, já que, o crescimento afetivo leva ao crescimento pessoal. Na abordagem técnica a aquisição de melhores condições de trabalho, tais como: …

"OS ALUNOS DE HOJE NÃO SÃO COMO OS ALUNOS DE ANTIGAMENTE" RUBEM ALVES

Os alunos de hoje, não são mais tão passivos como os alunos de algum tempo atrás. Quando falamos em passividade, é no sentido da não aceitação dos métodos impostos pelos professores. Os alunos da atualidade estão sempre questionando, buscando mudanças e interagindo com os professores. Portanto, podemos dizer que aquele aluno que não questiona, não emite as suas opiniões e não trabalha por mudanças, simplesmente não está exercendo as suas funções de ALUNO atuante. Está mais para um "bem-te-vi" recebendo diploma de professor "urubu".
**VALE RESSALTAR: O texto refere-se a alunos de verdade e não arruaceiros disfarçados de alunos...