Pular para o conteúdo principal

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DA LÍNGUA MATERNA (L.M.)

O aluno precisa automatizar certas operações para adquirir proficiência na leitura. Basicamente o aluno deve reconhecer a palavra, o sentido e a estrutura da mesma.
As habilidades necessárias para o desenvolvimento de domínio da língua são quatro: Ler, Ouvir, Escrever e Falar. Para que o aprendiz se torne um bom leitor é necessário que o professor trabalhe textos interessantes, que apresentem uma linguagem de fácil entendimento para o aluno e que estes textos tenham relação com o contexto na qual o aluno está inserido.
O professor pode incentivar os alunos a se tornarem bons ouvintes, mostrando a estes que eles também estão sendo ouvidos, refraseando o que foi dito pelos alunos, contendo a compulsividade em querer falar antes que o colega finalize sua fala.
Para desenvolver a habilidade da escrita o professor pode incentivar o aprendiz a escrever mais, fazendo redações, resumos, relatórios, contando histórias do seu cotidiano, até mesmo organizando a criação de livros de autoria dos alunos, o que posteriormente pode-se fazer uma exposição dos livros e lançamento dos 'novos escritores'. Valorizar esta escrita dando ao aluno o feedback (comentário avaliativo), que deixe o aprendiz ciente de que seu trabalho escrito está bem e/ou pode melhorar.
O docente pode, também, incentivar o aluno no sentido de ser um bom 'falante', no sentido de se comunicar com coerência e coesão. Atividades como apresentações orais, seminários e debates, enfim, atividades que estimulem o aluno a se manifestar oralmente. E segue a mesma 'dica', faz-se necessário que o professor apresente ao aluno o feedback, para que o mesmo sinta segurança e estimulo para buscar aperfeiçoamento.
Lembrando que, todas estas habilidades, para serem desenvolvidas, partem, também, de um professor - leitor - ouvinte - escritor - falante.

Acredita-se que o ensino da Língua Materna é de responsabilidade de todos os professores e, não apenas dos professores de Língua Portuguesa. O aluno deve saber ler e entender o que está sendo lido, ou seja, ele precisa interpretar, conhecer o significado das palavras, o contexto, por isso os professores de outras disciplinas têm a responsabilidade de instruir seu aluno nesta prática de leitura e interpretação/compreensão. Se um aluno não consegue entender ou interpretar um problema matemático, de física, ou outro texto qualquer, ele será incapaz de resolver ou responder ao que está sendo pedido. Dessa forma, o ensino da L.M. é responsabilidade de todos, ou seja, todos os professores podem contribuir para uma formação de qualidade, fazendo com que seus alunos tornem-se seres 'pensantes ' e 'criticos' à medida certa.

Fala-se muito em interdisciplinaridade e ensino contextualizado, pode-se dizer que quando se ensina a gramática, partindo de assuntos de outras matérias ou assuntos que estejam relacionados ao contexto social é mais fácil para a compreensão do aprendiz.

Dentre muitas coisas que ouvia em sala de aula, lembro-me que certa vez ministrava aulas de Língua Inglesa e estávamos estudando as partes do corpo humano, e uma palavra muito comum, e acredito que VOCÊ já ouviu alguém pronunciá-la com a maior certeza de que é o correto: Brain = CÉREBRO, o que era pronunciado, CELEBRO. Impressionante que os alunos tinha convicção de que a pronuncia deles era a correta, é claro recorri ao dicionário para mostrá-los que nem sempre é o que parece...

Acredito que de alguma forma pude contribuir com a Língua Portuguesa...


Postagens mais visitadas deste blog

ATITUDE CIENTÍFICA E SENSO COMUM

Existe grande diferença entre as certezas cotidianas e a atitude científica. As opiniões cotidianas formam o senso comum, criam certezas que são transmitidas de geração a geração, e muitas vezes, se tornam uma verdade inquestionável.

A DIDÁTICA E A FORMAÇÃO DE EDUCADORES

DA EDUCAÇÃO À NEGAÇÃO: A BUSCA DA RELEVÂNCIA
O processo de formação de educadores, inclui componentes curriculares criados para o tratamento de atividades educativas, da prática pedagógica. A Didática tem um papel de destaque entre estes componentes. A análise da atuação da Didática na formação de educadores, tem levantado uma grande discussão. Alguns estudiosos afirmam que a Didática, quando não é inofensiva, pode ser prejudicial. Para que esse assunto seja entendido deve ser estudado dentro do contexto em que se encontra, ou seja, tem que ser analisado dentro do conjunto educacional e politico social.
A Didática estuda o processo de ensino-aprendizagem, este processo está sempre presente, de forma direta ou indireta, no relacionamento humano. De acordo com a abordagem humanista, a relação entre pessoas está no centro do processo de ensino-aprendizagem, já que, o crescimento afetivo leva ao crescimento pessoal. Na abordagem técnica a aquisição de melhores condições de trabalho, tais como: …

"OS ALUNOS DE HOJE NÃO SÃO COMO OS ALUNOS DE ANTIGAMENTE" RUBEM ALVES

Os alunos de hoje, não são mais tão passivos como os alunos de algum tempo atrás. Quando falamos em passividade, é no sentido da não aceitação dos métodos impostos pelos professores. Os alunos da atualidade estão sempre questionando, buscando mudanças e interagindo com os professores. Portanto, podemos dizer que aquele aluno que não questiona, não emite as suas opiniões e não trabalha por mudanças, simplesmente não está exercendo as suas funções de ALUNO atuante. Está mais para um "bem-te-vi" recebendo diploma de professor "urubu".
**VALE RESSALTAR: O texto refere-se a alunos de verdade e não arruaceiros disfarçados de alunos...