Pular para o conteúdo principal

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO


A Linguística Aplicada (L.A.) seria um mediador entre descrições teóricas e atividades práticas diversas.

Segundo Halliday, McIntosh e Strevens, a L.A. utiliza as descrições feitas pela Lingüística para outra finalidade, fora da Lingüística.
Para Pit Corder, a L.A. pressupõe a Lingüística, é uma atividade e, não um estudo teórico, que utiliza os resultados de estudos teóricos para o ensino de línguas.
A L.A. é entendida como “o uso de matérias lingüísticas cujo conteúdo pode aprimorar o trabalho prático nas disciplinas que incluem o uso da linguagem”.



Tanto a Gramática Tradicional quanto a Linguística possuem conceitos formados em relação à questão 'erros'.
Para a Gramática Tradicional (G.T.) é considerado erro, tudo o que foge às normas e padrões da língua.

Ex.: Os menino saíram.

Nesse contexto a G.T. considera a frase incorreta, visto que, não há concordância entre artigo, sujeito e verbo.

De acordo com a Linguística, todo enunciado que foge ou não configura em nenhuma variedade linguística é considerado 'erro'

Ex.: A difícil está prova.

Os termos não estão ordenados, portanto, não transmitem nenhuma mensagem e não configura nenhuma variedade linguística.

Os PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS (PCNs) DE LÍNGUA PORTUGUESA refletem a influência da Linguística na concepção mais atual de ensino de Língua Portuguesa da seguinte forma, defendem que os livros ou textos trabalhados sejam de acordo com a realidade do aluno, considerando o conhecimento prévio do mesmo, havendo valorização das variedades linguísticas e língua falada, sem que haja preconceito.



Entende-se que a norma padrão da língua é o que se deve ensinar nas escolas. Para que esse ensino ocorra de forma crítica sem que cause 'trauma' no aprendiz, necessário é que sejam trabalhados textos, redações e, no ensino da língua falada (sem preconceitos ou uma variedade linguística estabelecida), leitura de revistas, jornais, etc.


Em muitos casos os formadores de opinião (autor/livro didático/professor) produzem um fechamento das possibilidades de trabalho com o ensino da Língua na escola, em algumas situações em que o ensino de língua abrange - leitura e produção de textos, atividades de reflexão sobre variação línguistica. Existem alguns livros que apresentam atividades, que não admitem outras respostas e, alguns professores, ao adotarem esses livros, não criam possibilidades para que o aluno possa refletir e buscar alternativas de resposta. Há professores que só aceitam as respostas sugeridas pelo autor, dessa forma, produz-se o fechamento do intelecto do aluno, fazendo com que as atividades sejam executadas mecanicamente.

Postagens mais visitadas deste blog

ATITUDE CIENTÍFICA E SENSO COMUM

Existe grande diferença entre as certezas cotidianas e a atitude científica. As opiniões cotidianas formam o senso comum, criam certezas que são transmitidas de geração a geração, e muitas vezes, se tornam uma verdade inquestionável.

A DIDÁTICA E A FORMAÇÃO DE EDUCADORES

DA EDUCAÇÃO À NEGAÇÃO: A BUSCA DA RELEVÂNCIA
O processo de formação de educadores, inclui componentes curriculares criados para o tratamento de atividades educativas, da prática pedagógica. A Didática tem um papel de destaque entre estes componentes. A análise da atuação da Didática na formação de educadores, tem levantado uma grande discussão. Alguns estudiosos afirmam que a Didática, quando não é inofensiva, pode ser prejudicial. Para que esse assunto seja entendido deve ser estudado dentro do contexto em que se encontra, ou seja, tem que ser analisado dentro do conjunto educacional e politico social.
A Didática estuda o processo de ensino-aprendizagem, este processo está sempre presente, de forma direta ou indireta, no relacionamento humano. De acordo com a abordagem humanista, a relação entre pessoas está no centro do processo de ensino-aprendizagem, já que, o crescimento afetivo leva ao crescimento pessoal. Na abordagem técnica a aquisição de melhores condições de trabalho, tais como: …

"OS ALUNOS DE HOJE NÃO SÃO COMO OS ALUNOS DE ANTIGAMENTE" RUBEM ALVES

Os alunos de hoje, não são mais tão passivos como os alunos de algum tempo atrás. Quando falamos em passividade, é no sentido da não aceitação dos métodos impostos pelos professores. Os alunos da atualidade estão sempre questionando, buscando mudanças e interagindo com os professores. Portanto, podemos dizer que aquele aluno que não questiona, não emite as suas opiniões e não trabalha por mudanças, simplesmente não está exercendo as suas funções de ALUNO atuante. Está mais para um "bem-te-vi" recebendo diploma de professor "urubu".
**VALE RESSALTAR: O texto refere-se a alunos de verdade e não arruaceiros disfarçados de alunos...