Pular para o conteúdo principal

TEXTO, COERÊNCIA E COESÃO


- Halliday e Hasan (1976) afirmaram que a coesão tem a ver com o modo como o texto está estruturado semanticamente. A coesão é a relação semântica entre dois elementos do texto, de modo a ser interpretado por referência ao outro, pressupondo-o.

- Charolles (1978), afirma que coerência e linearidade textual estão relacionados, ou seja, "não se pode questionar a coerência de um texto sem levar em consideração a ordem que aparecem os elementos que o constituem.

- Widdowson (1978) diz que a coesão "é o modo pelo qual as frases ou partes delas se combinam para assegurar um desenvolvimento proposicional..." e revela-se por indices formais, sintáticos, sem apelo ao pragmático. A coerência seria a relação entre os atos ilocucionários que as proposições realizam. É diretamente ligada ao desenvolvimento ilocucional.

- Para Franck (1980), o termo coerência designa "a conexão formal e de conteúdo entre elementos sequenciais que coloca estes elementos em relação uns com os outros e os insere numa forma de organização superior como, por exemplo, nomes em uma lista, frases em texto, atos de fala numa sequência".

- Beaugrande e Dressler (1981), a coesão é a maneira como os constituintes da superfície textual se encontram relacionados entre si, numa sequência, através de marcas linguísticas; é a ligação entre os elementos superficiais do texto. Já a coerência tem como fundamento a continuidade de sentidos, dizendo respeito ao modo como os componentes do mundo textual, isto é, a configuração de conceitos e relações subjacentes à superfície  do texto, são mutuamente acessíveis e relevantes.

- Van Dijk (1981) e Van Dijk e Kintsch (1983), o termo coerência pode ser usado em sentido geral para denotar que alguma forma de relação em sentido ou unidade no discurso pode ser estabelecida.

- Bernárdez (1982), citando Salomon Marcus (1980), diz que a coerência significa uma certa capacidade de atuar como unidade e que coesão se refere à existÊncia de conexão entre as diferentes partes.

- Marcuschi (1983), a coesão refere-se à estrutura da sequÊncia superficial do texto e à sua organização linear sob o aspecto estritamente linguístico. Coerência é o resultado de processos cognitivos operantes entre os usuários de textos.

- Tannim (1984) define coesão como o conjunto de nexos da superfície textual que indicam as relações entre os elementos de um texto; e coerência, em termos de organização de estruturas subjacentes, que fazem com que palavras e sentenças componham um todo significativo para os participantes de uma ocorrência discursiva.

Postagens mais visitadas deste blog

ATITUDE CIENTÍFICA E SENSO COMUM

Existe grande diferença entre as certezas cotidianas e a atitude científica. As opiniões cotidianas formam o senso comum, criam certezas que são transmitidas de geração a geração, e muitas vezes, se tornam uma verdade inquestionável.

A DIDÁTICA E A FORMAÇÃO DE EDUCADORES

DA EDUCAÇÃO À NEGAÇÃO: A BUSCA DA RELEVÂNCIA
O processo de formação de educadores, inclui componentes curriculares criados para o tratamento de atividades educativas, da prática pedagógica. A Didática tem um papel de destaque entre estes componentes. A análise da atuação da Didática na formação de educadores, tem levantado uma grande discussão. Alguns estudiosos afirmam que a Didática, quando não é inofensiva, pode ser prejudicial. Para que esse assunto seja entendido deve ser estudado dentro do contexto em que se encontra, ou seja, tem que ser analisado dentro do conjunto educacional e politico social.
A Didática estuda o processo de ensino-aprendizagem, este processo está sempre presente, de forma direta ou indireta, no relacionamento humano. De acordo com a abordagem humanista, a relação entre pessoas está no centro do processo de ensino-aprendizagem, já que, o crescimento afetivo leva ao crescimento pessoal. Na abordagem técnica a aquisição de melhores condições de trabalho, tais como: …

"OS ALUNOS DE HOJE NÃO SÃO COMO OS ALUNOS DE ANTIGAMENTE" RUBEM ALVES

Os alunos de hoje, não são mais tão passivos como os alunos de algum tempo atrás. Quando falamos em passividade, é no sentido da não aceitação dos métodos impostos pelos professores. Os alunos da atualidade estão sempre questionando, buscando mudanças e interagindo com os professores. Portanto, podemos dizer que aquele aluno que não questiona, não emite as suas opiniões e não trabalha por mudanças, simplesmente não está exercendo as suas funções de ALUNO atuante. Está mais para um "bem-te-vi" recebendo diploma de professor "urubu".
**VALE RESSALTAR: O texto refere-se a alunos de verdade e não arruaceiros disfarçados de alunos...