Pular para o conteúdo principal

Romance SENHORA - Aurélia, exemplo de grande empreendedora e administradora




Romance “Senhora”, de José de Alencar


O escritor José de Alencar foi um dos primeiros escritores românticos do Brasil. Autor de grandes obras marca o romantismo brasileiro com a personagem de Aurélia Camargo, em Senhora. Esta obra retrata o amor acima das dificuldades, pois Aurélia é uma jovem bela que luta por seus sonhos e ideais, mesmo após ser traída.

A jovem Aurélia Camargo, moça de origem humilde, torna-se rica após receber a herança do avô, aos l8 anos, quando é apresentada à sociedade do Rio de Janeiro. Dona de uma esplendorosa beleza, Aurélia encanta a todos. Tendo ficado órfã de mãe há pouco tempo, tem em sua companhia uma parenta viúva, D. Firmina Mascarenhas, mas é Aurélia quem governa a casa como bem entende.
A mãe de Aurélia, Emília era casada com um médico pobre, Pedro Camargo, filho natural de um rico fazendeiro, Lourenço de Sousa Camargo, que desconhece o casamento do filho. Este parte para a fazenda paterna, mas não tendo coragem para enfrentá-lo, envia cartas amorosas à esposa e dinheiro para seu sustento. Após um ano de separação, o casal se reencontra, e desse reencontro, nasce o primeiro filho do casal, Emílio, que o pai só conhece aos dois meses de idade. Passam a viver algumas semanas juntos e outras separados. Nasce a segunda filha, Aurélia.
Aurélia, na infância, leva vida modesta em companhia da mãe e do irmão, jovem fraco que é ajudado em seu trabalho de pela irmã. Morto o irmão, a mãe devota todo seu amor para Aurélia, ela preocupa-se com o destino da filha, que precisa se casar, Aurélia atende aos apelos. Vários candidatos aparecem inclusive o tio Lemos irmão de sua mãe e ela o repele.
É Fernando Seixas que conquista a atenção de Aurélia, passa a freqüentar-lhe a casa, porém, sentindo-se constrangido em namorar moça tão pobre. O senhor Lemos resolve interferir nos acontecimentos e ao encontrar o pai de Adelaide Amaral lhe fala sobre as vantagens do casamento da moça, já prometida a outro, com Seixas. O pai que não gosta do pretendente da filha, pois o mesmo é pobre decide ajeitar o casamento de Adelaide com Seixas. O rapaz apesar de amar Aurélia vê mais vantagens no casamento com Adelaide e aceita a proposta do pai da moça que lhe oferece como dote 30 contos de réis.
O jovem Seixas vai se afastando cada vez mais da casa de Aurélia, a moça fica muito infeliz, por outro lado, reencontra o avô, que decidira reconhecer mãe e filha. Desafortunadamente, tanto a mãe quanto o avô logo falecem. Um comerciante visita Aurélia e lhe traz o testamento de Lourenço de Sousa Camargo, reconhecendo-a como sua herdeira universal, lhe apresentando uma lista de seus bens e explicando sobre os negócios pendentes.
Os parentes, antes distantes, tão logo sabem sobre a herança, correm para vê-la, inclusive o tio Lemos que consegue ser nomeado seu tutor. Mas Aurélia sabe como conduzir seus negócios, pois a mesma aprendeu quando ajudava seu irmão.
Aurélia solicita de seu tutor ajuda para conseguir um marido, o escolhido é Seixas que ela conheceu quando ainda era pobre, seu tutor faz a proposta de casamento a Seixas lhe oferecendo 100 contos de réis que o mesmo aceita sem que lhe seja revelado quem é sua noiva.
O casamento de Aurélia e Seixas é uma farsa, eles vivem separados, e a esposa na intimidade vive humilhando o cônjuge. Fernando, todavia, trabalha e realiza um negócio que lhe permite levantar o dinheiro que devia a Aurélia. Desse modo, propõe-se a restituir-lhe a quantia em troca da separação. Considerando o gesto uma prova da regeneração de Fernando, Aurélia, que nunca deixara de amá-lo, é vencida pelo amor, o que leva à consumação do casamento.

O romance apresentado surgiu no final do século XVIII. Onde o autor José de Alencar, usou como tema básico do livro o casamento por interesse devido o recebimento de uma herança e a discutível moral burguesa.
Nota-se a crítica de Alencar à sociedade daquela época, que não admitia a emancipação e as moças se faziam acompanhar pelos pais ou parentes.
José de Alencar, por sua vez, utiliza na literatura o "Casamento", sendo um retrato fiel de posições políticas e sociais. Ele defendia o "casamento" entre o nativo e o europeu colonizador, numa troca de favores: uns ofereciam a natureza virgem, um solo esplêndido; outros a cultura.
Mostrando um jogo de interesses, onde, retrata-se a sociedade imperial carioca da época, ”o Rio de Janeiro do Segundo Reinado”. Na trama do romance Senhora, há uma situação invertida. No romance, um homem se vende a uma mulher, com todas as formalidades comerciais, dinheiro, documentação, assinatura e posse da mercadoria.
Dessa forma, pode-se perceber como a evolução da condição feminina foi bastante lenta e no Brasil teve marcos básicos, dentre os quais pode-se citar o Estatuto da Mulher Casada, que alterou o Código Civil; a Consolidação das Leis do Trabalho; a Consolidação das Leis da Previdência Social e as anteriores Cartas Magnas culminando com a atual Constituição Federal.
À mulher não era permitido estudar e aprender a ler. Nas escolas, administradas pela igreja, somente lhes eram ensinadas técnicas manuais e domésticas. Esta ignorância lhe era imposta de forma a mantê-la subjugada desprovendo-a de conhecimentos que lhe permitissem pensar em igualdade de direitos. Era educada para sentir-se feliz como "mero objeto" porquanto só conhecia obrigações.
Com a mudança da Corte portuguesa para o Brasil foram abertas algumas escolas não religiosas onde as mulheres podiam estudar, entretanto, restritas aos conhecimentos de trabalhos manuais, domésticos e a gramática do português de Portugal a nível do antigo primário.
Com a Constituição de 1824 surgiram escolas destinadas à educação da mulher, mas, ainda, voltada a trabalhos manuais, domésticos, cânticos e ensino brasileiro de instrução primária. Ainda era vedado que mulheres freqüentassem escolas masculinas. A vedação da mulher ao conhecimento escolar tinha dois motivos básicos, em primeiro lugar o convívio entre homens e mulheres, o que, segundo a igreja, poderia provocar relacionamentos espúrios, e, em segundo lugar porque sendo a instrução dada aos homens em nível mais elevado, não poderiam mulheres freqüentar as mesmas escolas. Somente no início do século XX foi permitido que homens e mulheres estudassem juntos.

Assim, o romance "Senhora" é um clássico da literatura brasileira. Uma história de "amor às avessas", com muito drama e muita crítica. O livro faz diversas críticas sociais, criticando a ganância, a vaidade, a falsidade e etc. Porém, o clímax da história toda está em volta do casamento por dinheiro e a posição de subserviência da mulher.



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALENCAR, José de. Senhora. 1ª Ed. São Paulo: Editora Rideel, 1997.

PILETTI, Nelson e PILETTI, Claudino. História e Vida, V2. São Paulo: Ática, 1995. P. 93, 94 e 95.

Postagens mais visitadas deste blog

ATITUDE CIENTÍFICA E SENSO COMUM

Existe grande diferença entre as certezas cotidianas e a atitude científica. As opiniões cotidianas formam o senso comum, criam certezas que são transmitidas de geração a geração, e muitas vezes, se tornam uma verdade inquestionável.

A DIDÁTICA E A FORMAÇÃO DE EDUCADORES

DA EDUCAÇÃO À NEGAÇÃO: A BUSCA DA RELEVÂNCIA
O processo de formação de educadores, inclui componentes curriculares criados para o tratamento de atividades educativas, da prática pedagógica. A Didática tem um papel de destaque entre estes componentes. A análise da atuação da Didática na formação de educadores, tem levantado uma grande discussão. Alguns estudiosos afirmam que a Didática, quando não é inofensiva, pode ser prejudicial. Para que esse assunto seja entendido deve ser estudado dentro do contexto em que se encontra, ou seja, tem que ser analisado dentro do conjunto educacional e politico social.
A Didática estuda o processo de ensino-aprendizagem, este processo está sempre presente, de forma direta ou indireta, no relacionamento humano. De acordo com a abordagem humanista, a relação entre pessoas está no centro do processo de ensino-aprendizagem, já que, o crescimento afetivo leva ao crescimento pessoal. Na abordagem técnica a aquisição de melhores condições de trabalho, tais como: …

"OS ALUNOS DE HOJE NÃO SÃO COMO OS ALUNOS DE ANTIGAMENTE" RUBEM ALVES

Os alunos de hoje, não são mais tão passivos como os alunos de algum tempo atrás. Quando falamos em passividade, é no sentido da não aceitação dos métodos impostos pelos professores. Os alunos da atualidade estão sempre questionando, buscando mudanças e interagindo com os professores. Portanto, podemos dizer que aquele aluno que não questiona, não emite as suas opiniões e não trabalha por mudanças, simplesmente não está exercendo as suas funções de ALUNO atuante. Está mais para um "bem-te-vi" recebendo diploma de professor "urubu".
**VALE RESSALTAR: O texto refere-se a alunos de verdade e não arruaceiros disfarçados de alunos...